REPORTAGEM Panorama

“O que tá acontecendo é a fome”: moradoras protestam por políticas públicas no Butantã

Um grupo de mulheres que são lideranças comunitárias ocuparam a frente da Subprefeitura do Butantã junto a moradores de 22 territórios da zona oeste de São Paulo, para dialogar com representantes do poder público sobre o acesso às políticas públicas que vem sendo negadas às famílias da região. 
Lideranças comunitárias saíram as ruas do Butantã para reivindicar seus direitos. (Foto: Vitória Guilhermina)

Na última sexta-feira (30), lideranças comunitárias de 22 territórios de periferias e favelas localizadas no distrito do Butantã, zona oeste de São Paulo, ocuparam a parte de baixo da ponte do Peri Peri, ao lado da Rodovia Raposo Tavares e caminharam em protesto na direção da Subprefeitura do Butantã, com o objetivo de dialogar com o subprefeito sobre políticas públicas que foram encerradas ou estão ameaçadas pela prefeitura de São Paulo.

Uma carta elaborada pelos moradores e líderes comunitários contendo seis eixos de discussão, entre eles: Segurança Alimentar; Emprego, Trabalho e Renda; Assistência Social; Moradia Digna; Saúde; e Zeladoria na Periferia foi entregue ao subprefeito do Butantã.

"Comida no prato é direito, por um teto debaixo da cabeça, pela volta do auxílio emergencial e pelo não fechamento dos Centros das Crianças e Adolescentes – CCAs", foram alguns dos gritos ecoados pelos moradores organizados para reivindicar melhores condições de vida e acesso a direitos sociais.

"O que tá acontecendo é a fome" 

"O que tá acontecendo é a fome, é por isso que a gente está aqui hoje lutando. A prefeitura esqueceu as comunidades e esse tempo todinho de pandemia a gente vem sofrendo e sofrendo cada vez mais", conta Claudete Cordeiro, 48, moradora e a liderança comunitária do Jardim D´Abril.

Ela é uma das articuladoras da manifestação e comentou sobre suas motivações para organização do ato. "A gente vem conseguindo ajuda dos movimentos sociais, das ONG´s, mas tem um momento que não tem mais de onde tirar ajuda, até os movimentos secam, e hoje viemos cobrar a prefeitura que tem que dar esse apoio para gente."

A líder comunitária complementa que a luta dos moradores das periferias e favelas do Butantã está apenas começando. "A ideia é fazer esse diálogo e ser ouvido, a gente tá aqui para lutar, para ser visto, para não morrer, não deixar os nosso morrer", relata ela. 

A ato foi protagonizado por mulheres que são lideranças comunitárias em 22 territórios periféricos da zona oeste de São Paulo. (Foto: Vitória Guilhermina)

O principal objetivo de Cordeiro é construir o diálogo com representantes do poder público para apresentar a carta produzida a muitas mãos pelos moradores, e para isso, ela e outras lideranças comunitárias já estão organizando a próxima manifestação na porta da prefeitura no centro de São Paulo.

"Eles vão ter que ouvir a gente, estamos levando nossa carta de reivindicações e queremos ser ouvidos, e lutando também contra os desmontes que vem acontecendo nos CCAs", reforça ela. 

"Nós temos 1380 famílias mapeadas e nós queremos atendimento, queremos o mínimo de direitos"

Ana Cláudia Severino, moradora do Rio Pequeno, zona oeste de São Paulo.

Moradores de favelas do Rio Pequeno também marcaram presença no ato, uma delas é Ana Cláudia Severino, liderança comunitária que participou da manifestação motivada pelas batalhas por direitos sociais que a Favela do Camarazal, onde ela mora tem enfrentado desde o início dos anos 2000, data na qual, ela recorda que ocorreu a última visita do poder público na região.

"O último atendimento do poder público foi em 2000, e de lá pra cá, não teve mais atendimento, e só cresceu o número de famílias que estão em estado de miséria", afirma. Segundo Severino, citando que o estado das moradias na Favela do Camarazal é um dos principais problemas que precisam de atenção do poder público.

Ela conta que lá acontece de tudo, de incêndios a enchente e a Subprefeitura do Butantã nada faz a respeito. "A subprefeitura chega lá e mapeia a comunidade e as família, dá auto de interdição, mas não faz nada, não saí da estaca zero, bem dizer eles enxugam gelo né, fazem vista grossa e mais nada, e são muitas as famílias, nós temos 1380 famílias mapeadas e nós queremos atendimento, queremos o mínimo de direito."

Durante o ato, um grupo de lideranças apresentou ao subprefeito do Butantã uma carta com seis eixos de políticas públicas que precisam ser colocadas em prática pelo poder público. (Foto: Vitória Guilhermina)

 A trajetória da moradora na luta por direito começou após a casa onde morava com sua família ser atingida por um incêndio. A partir deste momento, ela decidiu agir em prol de outros moradores que sentem o descaso do poder público.

Ela conta que já ocorreram três incêndios dentro da favela Camarazal. "Eu sou uma das famílias que foi prejudica pelo incêndio em 2016, fiquei com oito filhos na rua, e muitas famílias hoje perderam os barracos em enchente, os barracos estão caindo", descreve a moradora.

Um dos direitos sociais que ela visa pautar em diálogo com o poder público é o auxílio aluguel, que começou a ser pago em 2017 para 21 famílias do território, mas foi cortado no ano seguinte, em 2018.

"No mesmo ano eu fui com as famílias para a defensoria pública lá na rua Boa Vista, atenderam a gente, e logo depois cortaram de novo, muitas famílias estão voltando para a terra natal, muitas conseguiram ir para casa de parentes, mas muitos seguem lutando e se ajudando, porque nosso governo é uma vergonha."

O ato denunciou o fechamento de dois Centros para Crianças e Adolescentes (CCA) que poderá deixar 300 crianças e adolescentes sem atendimento. (Foto: Vitória Guilhermina)

O ato foi protagonizado pela coragem de mulheres que enxergam na organização popular e no diálogo com o poder público uma forma de reduzir os problemas sociais que afetam as famílias da região.

A moradora da Cohab Raposo Tavares, Milena Alves Nascimento, 27, é outra liderança comunitária que levou para a Subprefeitura do Butantã as suas pautas com propostas de melhorias para os serviços públicos, que não tem agradado os moradores.

"Somos esquecidos por esta em uma região onde tem muitos bairros ricos, por estar na mesma região que Pinheiros, mas estamos aqui para mostrar a realidade das nossas comunidades da Raposo Tavares, das Cohabs, das favelas, viemos para a luta para que eles nos ouçam e de uma atenção", explica Nascimento.

Ela denuncia que as famílias que possuem crianças e adolescentes atendidos por dois Centros para Crianças e Adolescentes (CCA) na região não sabem como irão fazer, pois as unidades serão fechadas sem um diálogo prévio com moradores da comunidade.

"Nós temos muitas crianças vulneráveis nas ruas, e agora estamos perdendo dois CCAs, que é o CCA Gracinha e o Clarice, e isso causa um impacto, né? O impacto de ter mais crianças na rua e expostas a criminalização. A gente entende que quando a criança está na escola, ela tá tendo um direito à educação, e com as perdas desses espaços vamos ter mais crianças nas ruas", comenta.

Ao entender a gravidade da situação das famílias que perderão esses serviços públicos, a conselheira do CMDCA (Conselho Municipal da Criança e Adolescente) Roberta Seto, 37, moradora do Jardim Monte Kemel, marcou presença no ato representando o CCA Gracinha, que está ameaçado de ser fechado.

Ela explicou para a nossa reportagem os motivos que estão por trás desse processo de retirada de direitos dos moradores. "A prefeitura junto com a Associação Pela Família vai fechar dois centros de convivência e fortalecimento de vínculos. A Prefeitura alega que os dois imóveis não são acessíveis e a Associação afirma não ter recurso, apesar de ter recurso para fazer as obras de acessibilidade", denuncia Roberta.

Ela destaca que o possível fechamento destes serviços vai gerar um grande impacto nas famílias que são usuárias. "Essa indisposição para o diálogo entre a Prefeitura e a organização vai colocar 300 crianças e adolescentes na rua sem atendimento. São famílias de alta vulnerabilidade que perderam suas casas e seus empregos durante a pandemia e ninguém está olhando para isso," finaliza a conselheira.

Veja também:

 

Comentários: 4

Ellen Amaral em Quarta, 04 Agosto 2021 19:30

Maravilhosa a matéria, que daqui por diante o movimento cresça!

Maravilhosa a matéria, que daqui por diante o movimento cresça!
Claudete cordeiro dos santos em Quarta, 04 Agosto 2021 19:42

Linda materia. Sobre a luta das mulheres guerreiras , que ja esta cansadas .Do discurso Do poder público.

Linda materia. Sobre a luta das mulheres guerreiras , que ja esta cansadas .Do discurso Do poder público.
rafaela araujo em Quarta, 04 Agosto 2021 22:48

que foda ver essa movimentação acontecendo!!

que foda ver essa movimentação acontecendo!!
Adriana Delfino da Cruz Rodrigues em Quarta, 04 Agosto 2021 22:53

Parabéns por mostrar nossa luta .Não vamos parar de reivendicar nossos diretos .

Parabéns por mostrar nossa luta .Não vamos parar de reivendicar nossos diretos .
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Domingo, 23 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://desenrolaenaomenrola.com.br/