Quilombo Brotas: o primeiro quilombo urbano do Brasil

Leia também:

Este texto é um convite ao presente e a reflexão de como estamos mantendo nossas relações com as raízes e com a ideia de urbanização e sustentabilidade.

Durante a matéria de políticas públicas e combate ao racismo, ministrada por Eliete Barbosa e Danilo Benedicto no CELACC – USP, pude pesquisar e conhecer a história do Quilombo Brotas, localizado na cidade de Itatiba. Este texto é um convite ao presente e a reflexão de como estamos mantendo nossas relações com as raízes e com a ideia de urbanização e sustentabilidade.

O Sítio Brotas foi comprado em 1888 por um casal de alforriados, sendo o primeiro quilombo urbano do Brasil, porém apenas em 1969 foi realizado o registro em cartório e somente em 2003 o Sítio Brotas foi certificado como Área Remanescente de Quilombo pela Fundação Palmares, tornando-se Quilombo Brotas e ainda hoje está em processo de titulação.

O Quilombo possui problemáticas próprias acerca da gentrificação urbana e dificuldade de diálogo com as instituições competentes. A gentrificação ocorre em conexão com as construções do loteamento Nova Itatiba e com o fortalecimento do avanço de ampliação “urbana” mais “agressiva” no entorno, aqui especulo que isso se conecta com os debates sobre mercado imobiliário e o crescimento de cidades no entorno.

Estas problemáticas passaram a afetar também a liberdade religiosa da população quilombola, já que possuíam uma pequena represa onde eram feitas as práticas religiosas relacionadas a Umbanda, e as obras interferiram no curso das águas fazendo a nascente secar, impossibilitando assim a relação com as águas que dentro das religiões de matriz afro-brasileira são muito importantes, sendo utilizadas para rituais, entregas, banhos entre outros.

O quilombo também é uma área de troca com a natureza, você retira e devolve, existe uma lógica de preservação, então o que é sustentabilidade e urbanismo, quais as lógicas que são levadas em conta quando falamos sobre cidade, tecnologia e crescimento.

Sendo direito constitucional a preservação da cultura afro-brasileira, mas se fez presente durante toda a pesquisa, a angústia dos questionamentos de até onde as estruturas seguem a defesa dessa preservação.

Pude observar no desenvolver da pesquisa que o Quilombo foi esquecido nesse processo de construção e nessa ideia de dinâmicas e pertencimento do local, sendo que a população quilombola está lá desde 1888, o que deixa um tanto quanto difícil não enxergar como parte do racismo institucional, observando as instituições que atravessam os diversos setores do quilombo que foram afetados.

Hoje nas redes o assunto da ancestralidade e das nossas raízes é o foco de muitas pessoas, mas como está nosso povo? Seja nas periferias, nos quilombos e onde desejam estar. Como estão vivendo?

Falar de gentrificação é dizer que existem pessoas sem o direito de exercer sua cultura, sem moradia ou com altos custos de moradia em locais que já residiam anteriormente. A cidade se torna então um lugar ingrato para vivermos. Será que somos parte dela?

A ancestralidade ocorre hoje, o presente é nosso precioso princípio e bússola, o Quilombo Brotas resiste e procura formas de se manter em meio a ausência de seguridade do poder público e as invasões de quem busca lucrar sem respeitar quem ali estava antes. 

Agradeço a Vera, que está como representante do quilombo, pela disponibilidade de ouvir o grupo e realizar essa importante troca. Atualmente o Quilombo Brotas está se reconstruindo após as chuvas e continua enfrentando os embates (que nem deveriam existir), mas que só trazem a tona como ainda não chegamos onde achamos que já estamos.

Agradeço também a Aline, Beatriz, Lilian, Flavio e Sâmia que faziam parte desse grupo de trabalho e compartilharam das descobertas que essa pesquisa trouxe.

Nossa ancestralidade é hoje, somos nós, o passado é referência, o futuro é nossa consequência
Como água que corre e desvia
Como vento que sopra, refresca, mas também derruba estruturas
Como o fogo que esquenta, que incendeia, que não se limita
Como a terra que nos firma em pé, que nos permite construir
Como a liberdade que não existe sem coragem, sem força, sem responsabilidade

Poesia de Agnes Roldan

Autor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.

Pular para o conteúdo