Notícia Contextos Periféricos

Familiares das vítimas do massacre de Paraisópolis realizam ato para exigir justiça

Um ano após as mortes dos nove jovens, as famílias ainda não tem nenhuma resposta do poder público diante da ação violenta da Polícia Militar durante o Baile da Dz7 
Foto: Nicole Conchon

No próximo 1º de dezembro de 2020, familiares dos 9 jovens mortos em decorrência da ação policial no Baile da 17, em Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo, realizarão ato em memória de seus familiares e para reforçar as reivindicações sobre a responsabilização por essas mortes. Uma ano se completou sem que as famílias tivessem respostas institucionais sobre esse crime.

Foi durante um baile funk que os jovens, em sua maioria negros, Paulo Oliveira dos Santos, 16 anos, Bruno Gabriel dos Santos, 22 anos, Eduardo Silva, 21 anos, Denys Henrique Quirino da Silva, 16 anos, Mateus dos Santos Costa, 23 anos, Gustavo Cruz Xavier, 14 anos, Gabriel Rogério de Moraes, 20 anos, Dennys Guilherme dos Santos Franco, 16 anos e Luara Victoria de Oliveira, 18 anos, foram assassinados. Segundo vídeos de moradores da região, testemunhas e reportagens, agentes da Polícia Militar empenharam o uso indevido e desproporcional da força diretamente contra pessoas desarmadas e rendidas, em um contexto de atividade cultural.

Na versão da PM, as mortes e os ferimentos em mais de 20 pessoas, se deram por pisoteamento. Os familiares dos jovens contestam e alegam que eles não resistiram às violências que foram submetidos por policiais.

Movimentos apoiam o ato

A ação configura a criminalização de expressões culturais da periferia e o genocídio contra a população negra, jovem e periférica. As organizações do movimentos negro e as famílias das vítimas exigem a responsabilização do Estado pelas intervenções violentas, pelas mortes e pela desestruturação de nove famílias.

O ato por justiça e em memória das vítimas, será realizado no dia 01 de dezembro de 2020, às 16h30, em frente ao Portão 2 do Palácio dos Bandeirantes do Governo do Estado de São Paulo. O ato conta com apoio da Uneafro Brasil, Coalizão Negra por Direitos, Rede de Proteção e Resistência ao Genocidio, Instituto de Defesa do Direito de Defesa, Rede Liberdades.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Sexta, 24 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://desenrolaenaomenrola.com.br/