Opinião Colunas

Lendo, escrevendo…

 Minha chegada nesse terreiro sagrado de escritas periféricas. Licença povaria!
Foto: Arquivo pessoal

Oprê! Olá, você que está aqui pra desenrolar o papo no Desenrola e Não Me Enrola… Já peço desculpas se o texto tá muito longo, tá? A intenção não é enrolar… Conto com tua paciência e peço licença pra chegar.

Meu nome é Aloysio Letra e eu recentemente (na verdade, já há algum tempo) fui convidado pra escrever por aqui. Talvez eu escreva crônicas, textos de opinião, textos sobre cultura, política ou use este espaço apenas pra me expressar como um articulador cultural de periferia que se permite ter uma "visão sobre o mundo". Afinal, é bom ter um espaço coletivo pra poder escrevinhar…

Eu sou filho de Roberta, mineirinha de Muriaé, filho de Aloisio, baiano de Nova Lage. Sou preto de gradação clara, hetero cis, me reivindico afro-indígena, tenho uns quarenta e poucos anos, tenho o pé chato, sou de capricórnio (não me culpe), sou anti-racista, anti-sexista, anti-homotransfobia, anti-capacitista e sou morador de Éssepê no extremo Leste, lá nas distintas e distantes terras dos Guaianás (Pra quem usa trens da CPTM: Guaianases).

Esse é tipo um texto de apresentação, um flerte, para a gente se conhecer melhor e por isso resolvi escrever, porque ler e escrever foram se tornando importantes pra mim ao longo da minha vida.

Eu comecei a ler muito cedo. Minha mãe me alfabetizou lá pelos 4 anos de idade porque na época tinha muito medo do analfabetismo (que nessa época era bem comum). Como meus pais sempre foram pobres e trabalhavam muito fora de casa, isso foi muito bom, porque eu tinha poucos brinquedos e o maior lance então era usar a criatividade e a imaginação pra passar o tempo em casa. Lembro que li vários dos livros dos meus pais, mesmo sem entender muito, até depois ter acesso a livros de fato infantis. Parecia que aquelas vozes, as palavras novas e as figuras imaginárias ficavam perambulando minha mente durante os dias. Eu lia rótulo de embalagens, capas de discos de vinil, me imaginava outra pessoa, noutro lugar distante que não numa casa trancada ou num quarto pequeno e apertado.

Na escola, dos primeiros anos eu era bem tímido, por vários motivos, dentre eles por mudar de escola muitas vezes por conta das diversas mudanças de casa. A cada escola nova eu queria saber se tinha biblioteca ou um lugar pra pegar livros emprestados. Gostava muito de ler os livrinhos da série Vaga-lume, muito comuns nessa época e que podiam ser achados da biblioteca até a banca de livros usados da feirinha de domingo. Eram livros muito legais, bem ilustrados e nesse tempo eu fiquei fã de todos livros do Marcos Rey, com sua escrita cinematográfica e também era apaixonado pelo mundo imagético de "O Escaravelho do Diabo" (1974) e do maravilhoso "O caso da Borboleta Atíria" (1975), da mineira e premiadíssima Lúcia Machado de Almeida. 

Eu sou filho de Roberta, mineirinha de Muriaé, filho de Aloisio, baiano de Nova Lage. Foto: Arquivo pessoal.

Minha família não tinha grana, então eu não tinha acesso a muitos gibis (histórias em quadrinhos). A maioria dos gibis que li na infância era quando ia ao dentista, e daí por causa dos gibis eu adorava ir no consultório da dentista no Jabaquara. Lá eu lia histórias da Disney, da Marvel e da DC Comics e só ficava meio cabreiro porque nas revistas de heróis tinha muita estória incompleta, histórias que precisavam de mais gibis pra saber o fim. Era a época do auge da editora Abril, que editava muito do que se lia de história em quadrinhos no Brasil.

Da saudade que nascia entre cada visita ao dentista, nasceu a vontade de escrever e desenhar, e daí passei a criar minhas próprias estórinhas, tirinhas, heróis próprios, personagens diversos. Era bem legal ter vários papéis dobrados e colados, com estórias próprias que ficavam cheirando a naftalina quando guardadas na gaveta das meias.

Eu passava muito tempo sozinho em casa e a minha mãe lia e tinha algumas revistas, edições da revista Cláudia, revistas com guia de nomes pra se dar a bebês, revistas de receita, revista Veja, Veja São Paulo. Ficava muito curioso pra ler sobre as pessoas que via na TV: cantoras famosas, atrizes de novela e gostava de ler os textos de abertura das revistas, aquele texto que falava sobre o que cada matéria trazia pra aquela edição que tinha o tema tal e que tinha como destaque a Fulana ou a Beltrana.

Através dessas revistas eu conhecia melhor a minha mãe, que muito trabalhava, em casa e fora dela, e que por isso tinha pouco tempo pra prosear, amar, se amar. Nossas conversas indiretas muitas vezes foram através da leitura das suas revistas. O que ela lia me falava muito sobre ela e as pressões que ela sofreu no século 20.

Vez em quando eu também emprestava as revistas da minha mãe ou os poucos gibis que tinha, para amigas da escola, em troca das revistas que elas liam, assim também lia de quando em quando as revistas Capricho, revistas sobre comportamento e algumas revistinhas de horóscopo mesmo sem entender muita coisa.

Meu pai e minha mãe liam jornais quando tinham grana. Quando cheguei a pré-adolescência me interessei em ler de uma forma mais completa aqueles jornais. Antes eu só lia o caderno infantil que saía periodicamente. Meu pai lia mais a Folha de São Paulo e aos finais de semana o Estadão, vez em quando lia o Jornal da Tarde. Papai sempre comentava sobre o que lia e falava que a gente precisava se informar pra não ser alienado, com ele me habituei a acompanhar o jornalismo. Levava muita bronca por bagunçar a ordem dos cadernos do jornal do meu pai. Pra mim era difícil a organização daquele calhamaço de papel.

Nessa época, de tanto ler o que os "adultos sérios" liam, eu peguei gosto por crônicas. Aquela escrita meio que conversava comigo, criava amigos imaginários, mas eu ainda não sentia como poderia algum dia escrever algo do tipo e em espaços de destaque. Curtia muito o Bussunda, Mário Prata e mais um bocado de coisa que eu não recordo muito bem. Sei que o gosto por crônica depois me levou a buscar livros de crônicas, coletâneas como a "Comédias da Vida Privada" do Luís Fernando Veríssimo, que mais tarde na escola chegamos a montar numa peça teatral.

Do período da infância à adolescência lembro de escrever muitas cartas. Cartas para amigos, garotas da escola, para irmãos que moravam distante (tenho 8 irmãos, 4 homens e 3 mulheres) e cartas pra minha mãe ou meu pai após terem se separado, tempo em que eu vivia alternando minha morada, vezes morando com uma(um) ou com outra(o), de lá pra cá.

Eu lembro ainda da sensação de passar horas escrevendo e reescrevendo as emoções e os sentimentos, as saudades e as vontades que me atravessavam nos dias, semanas e meses de distância entre uma carta e outra. Ainda tenho numa velha lata de panetone algumas dessas cartas, algumas que guardam ainda os cheiros das tintas de caneta colorida ou mesmo cheiro de perfumes que vez em quando colocávamos para transportar a pessoa para as nossas sensações durante a escrita. Li e escrevi cartas com desenhos, com ingressos de shows colados com durex, cartas com ou como presentes, com fitas coloridas, com verdades e mentiras inofensivas, com indignações de vez em quando. 

Foto: Felipe Ribeiro

Com vinte e poucos anos, na época casado com minha melhor amiga da escola, eu trabalhava numa fábrica de vidro em Itaquera e revezava meu tempo de folga e os horários de almoço lendo livros e gibis usados que eu comprava quando sobrava um troco. Ensaiava ter uma coleção de gibis do Wolverine. Não sobrou uma só revista desse tempo.

Anos depois, durante a faculdade de Rádio e TV, me apaixonei por roteiros e por artistas que tinham o dom de criar imagens, paisagens e rimas visuais com as letras no papel. Adorava também os livros da Linda Seger, do Robert Mckee e os cursos de diálogo da ótima dialoguista Adriana Falcão. Amei a escrita pra cinema!

Durante muitos anos, apesar de imaginar, escrever, ler e sonhar, a verdade é que fora das trocas de cartas do círculo mais íntimo, eu não tinha muito acesso a escritas de outras pessoas que como eu, pretas e de periferia, escreviam, liam, sonhavam. Isso mudou em 2007, quando fui no primeiro sarau, a convite de uma amiga, Mayara Penina (hoje jornalista no Nós, mulheres da periferia).

Nessa época eu trabalhava num banco e a Mayara me convidou pro Politeama, um sarau numa região central da cidade de São Paulo. Eu fiquei fascinado com aquela troca de material autoral, com as provocações e incentivos para criações coletivas, frescas ali na hora, mas também meio intrigado pra saber como isso se dava nas periferias. A partir daí comecei a procurar saraus de periferia na minha região.

Em 2008, conheci o Sarau do Marginaliaria em São Miguel e através deles o pessoal do Sarau "O que dizem os umbigos?" no Itaim Paulista. Amor à primeira vista! Samara Oliveira, Daniel Marques, Queila Rodrigues e muitas poetas me fizeram apaixonar pelas possibilidades coletivas dos saraus de periferia, e os saraus passaram então a constituir também a minha formação cultural e política.

Nas escutas e leituras dos saraus comecei a ter acesso a outras "linhas editoriais", outros sensos e olhares, agora mais livres do binarismo das editoras e redes de comunicação hegemônica. Foi um respiro e nesse ponto em diante me permitiria me reconhecer ainda mais nas escritas das mulheres, homens e bixas de periferia, pessoas que queriam pra si, mais do que a sociedade as destinava.

Bem, esse texto é um pouco sobre como a leitura e escrita perpassou a minha vida e estar aqui escrevendo num espaço de periferia, num portal de jornalismo atuante nas quebradas de Éssepê, é um alento num tempo tão violento, tão indelicado, tão cheio de guerras velhas e novas.

Vez em quando escreverei por aqui sobre o que der na telha, às vezes sobre indignações, às vezes sobre utopias vindas de quem sonha um mundo plural, poético e melhor pra todes. 

Agradeço se você quiser comentar aqui, me escreve aí como a leitura e a escrita te tocou na sua vida, o que achou desse texto e por favor, se possível, visite os textos de mais colunistas daqui do Desenrola e Não Me Enrola. Até mês que vem! Saravá as mudanças!

Veja também:

 

Comentários: 19

Rodrigo Didds em Terça, 19 Abril 2022 13:43

Parabéns por essa etapa Letra. Muito bom ler suas palavras, sentir elas ecoarem muita identificação. Já tem um leitor/seguidor.

Parabéns por essa etapa Letra. Muito bom ler suas palavras, sentir elas ecoarem muita identificação. Já tem um leitor/seguidor.
Aloysio Letra em Quarta, 20 Abril 2022 12:22

OprÊ ! Brigadão Rodrigo ! Estamos aí partilhando com us nosses ! Saravá malungo !

OprÊ ! Brigadão Rodrigo ! Estamos aí partilhando com us nosses ! Saravá malungo !
Alessandra Fahl Cordeiro Gurgel em Terça, 19 Abril 2022 14:09

Meu querido Aloysio. Sim, você é um querido pra mim, do seu jeito. Como foi bom ler o seu texto, conhecer melhor a sua trajetória. Eu também sempre fui uma apaixonada pela leitura. Aos 5 anos, ia com a minha mãe até a manicure. Tinha aquelas revistas Contigo. Eu folheava todas. Quando queria muito saber o que estava escrito, levava pra minha mãe ler. Eu era revoltada por não saber ler e acabei lendo aos 6. Ah, a coleção vaga lume! Li muitos títulos, tenho alguns até hoje. Me desfiz de alguns para presentear alunos que moram em lugares muito esquecidos. Também guardo cartas e bilhetes do meu pai e da minha avó numa gaveta do guarda roupas e da memória. Quero ler mais textos seus. Que venham! Parabéns, meu querido. Seu texto emana uma sensibilidade rara de proseador e poeta. Um abraço meu pra você.

Meu querido Aloysio. Sim, você é um querido pra mim, do seu jeito. Como foi bom ler o seu texto, conhecer melhor a sua trajetória. Eu também sempre fui uma apaixonada pela leitura. Aos 5 anos, ia com a minha mãe até a manicure. Tinha aquelas revistas Contigo. Eu folheava todas. Quando queria muito saber o que estava escrito, levava pra minha mãe ler. Eu era revoltada por não saber ler e acabei lendo aos 6. Ah, a coleção vaga lume! Li muitos títulos, tenho alguns até hoje. Me desfiz de alguns para presentear alunos que moram em lugares muito esquecidos. Também guardo cartas e bilhetes do meu pai e da minha avó numa gaveta do guarda roupas e da memória. Quero ler mais textos seus. Que venham! Parabéns, meu querido. Seu texto emana uma sensibilidade rara de proseador e poeta. Um abraço meu pra você.
Aloysio Letra em Quarta, 20 Abril 2022 12:23

Oprê ! Alessandra, que massa ver você por aqui. As leituras ajudam muito a gente se ver, sentir e poder firmar nossos passos por aí nesse mundão, né ? Essa coluna é mensal e no meu Instagram farei leitura desses textos uma vez por mês também. Abração !

Oprê ! Alessandra, que massa ver você por aqui. As leituras ajudam muito a gente se ver, sentir e poder firmar nossos passos por aí nesse mundão, né ? Essa coluna é mensal e no meu Instagram farei leitura desses textos uma vez por mês também. Abração !
Alessandra Fahl Cordeiro Gurgel em Quinta, 21 Abril 2022 00:23

Então eu quero ler todo mês o que você escrever, gostei muito e faço votos que você continue, pois, como eu disse, tens uma rara sensibilidade e muito o que dizer. Forte abraço!

Então eu quero ler todo mês o que você escrever, gostei muito e faço votos que você continue, pois, como eu disse, tens uma rara sensibilidade e muito o que dizer. Forte abraço!
Josué Delgado em Quinta, 21 Abril 2022 18:03

Seu texto ...foi uma entrega sincera, realmente bacana de se ler.
Foi também o condutor da minha atenção até essa página, e por ser morador periférico e me ver utilizando o tão antigo meio de locomoção citado rsrsrsr...(Trem da CPTM) não poderia ficar ausente a este canal de voz, e idéias periféricas que podem acrescentar e muito ao leitor.

Seu texto ...foi uma entrega sincera, realmente bacana de se ler. Foi também o condutor da minha atenção até essa página, e por ser morador periférico e me ver utilizando o tão antigo meio de locomoção citado rsrsrsr...(Trem da CPTM) não poderia ficar ausente a este canal de voz, e idéias periféricas que podem acrescentar e muito ao leitor.
Aloysio Letra em Sexta, 22 Abril 2022 08:09

Oprê! Josué, que legal te ver por aqui mano. Brigado demais pela leitura. Todo mês escreverei por aqui. Seja bem vindo ao Desenrola e não me enrola! Abração 🙃

Oprê! Josué, que legal te ver por aqui mano. Brigado demais pela leitura. Todo mês escreverei por aqui. Seja bem vindo ao Desenrola e não me enrola! Abração 🙃
Sandro Cajé em Sábado, 23 Abril 2022 20:19

Estou feliz de ler o seu texto abrindo mais um caminho, Aloysio. E mais feliz ainda de saber que teremos a oportunidade de lermos mais de um dos intelectuais mais importantes de São Paulo. É assim que o considero, meu caro. Você faz parte de um grupo maravilhosamente criativo que a Zona Leste viu surgir contrariando as expectativas. Minha admiração e meu melhor respeito pra ti, Artista. Opré! Kolofé!

Estou feliz de ler o seu texto abrindo mais um caminho, Aloysio. E mais feliz ainda de saber que teremos a oportunidade de lermos mais de um dos intelectuais mais importantes de São Paulo. É assim que o considero, meu caro. Você faz parte de um grupo maravilhosamente criativo que a Zona Leste viu surgir contrariando as expectativas. Minha admiração e meu melhor respeito pra ti, Artista. Opré! Kolofé!
Aloysio Letra em Domingo, 24 Abril 2022 10:37

Oprê! Poxa Sandro, fico feliz com as palavras querido. Vamos no passinho. Kolofé Olorum! Asé irmão!

Oprê! Poxa Sandro, fico feliz com as palavras querido. Vamos no passinho. Kolofé Olorum! Asé irmão!
Solange Oliveira Ferreira em Segunda, 25 Abril 2022 14:38

Olá Aloysio como você também aprecio as crônicas… nessa sua crônica te reencontrei mais uma vez, como assim?
Nossos caminhos se cruzaram muitas vezes, conheci seu pai através da minha irmã Magali que conheceu a Lourdes mãe da sua irmã Luciana aos dois anos de idade e a qual sou madrinha. Estive com você umas duas vezes em sua infância. Reencontrei você na partida do “ Daniel” mas sem saber que era você… reencontrei você nas redes sociais e posteriormente no lançamento da candidatura do Douglas no teatro oficina, foi lá em uma breve conversa com você que reuni as histórias. Agora através da sua crônica te admiro ainda mais por sua arte/resistência. Um grande abraço e felicitações por esse espaço que possibilitará publicar suas belas escritas!!!

Olá Aloysio como você também aprecio as crônicas… nessa sua crônica te reencontrei mais uma vez, como assim? Nossos caminhos se cruzaram muitas vezes, conheci seu pai através da minha irmã Magali que conheceu a Lourdes mãe da sua irmã Luciana aos dois anos de idade e a qual sou madrinha. Estive com você umas duas vezes em sua infância. Reencontrei você na partida do “ Daniel” mas sem saber que era você… reencontrei você nas redes sociais e posteriormente no lançamento da candidatura do Douglas no teatro oficina, foi lá em uma breve conversa com você que reuni as histórias. Agora através da sua crônica te admiro ainda mais por sua arte/resistência. Um grande abraço e felicitações por esse espaço que possibilitará publicar suas belas escritas!!!
Aloysio Letra em Segunda, 25 Abril 2022 16:40

Oprê ! Solange, a próxima vez que nos vermos bora por o papo em dia ! Fico feliz de termos tanto em comum nas lutas por aí nessa eira com beira que é a terra redonda viu ! O mundo é imenso e pequeno, mesmo. Esses momentos que você descreve me colocam num poético combate por hoje, amanhã e depois. Feliz de estarmos juntos nessa ! Agradeço demais o seu comentário e a leitura afetuosa. Mês que vem tem mais. Volte sempre por aqui e leia as demais colunistas por aqui no Desenrola ! Abraço grande querida ! Asé

Oprê ! Solange, a próxima vez que nos vermos bora por o papo em dia ! Fico feliz de termos tanto em comum nas lutas por aí nessa eira com beira que é a terra redonda viu ! O mundo é imenso e pequeno, mesmo. Esses momentos que você descreve me colocam num poético combate por hoje, amanhã e depois. Feliz de estarmos juntos nessa ! Agradeço demais o seu comentário e a leitura afetuosa. Mês que vem tem mais. Volte sempre por aqui e leia as demais colunistas por aqui no Desenrola ! Abraço grande querida ! Asé :)
Wagner Gama em Segunda, 25 Abril 2022 22:59

Lindeza de crônica!!!!

Lindeza de crônica!!!!
Aloysio Letra em Terça, 26 Abril 2022 18:24

Oprê ! Salve Wagner, poxa querido, brigado por ler esse texto. Mês que vem terá mais por aqui. Estou começando por aqui nesse novo desafio. Leia também outros textos e matérias do Desenrola, muita coisa legal ! Abração !

Oprê ! Salve Wagner, poxa querido, brigado por ler esse texto. Mês que vem terá mais por aqui. Estou começando por aqui nesse novo desafio. Leia também outros textos e matérias do Desenrola, muita coisa legal ! Abração !
Samara em Terça, 26 Abril 2022 00:03

Muito legal saber da sua história com a escrita Aloysio e muito feliz em fazer parte com o sarau dela também ☺️ axé hermano! Tenho certeza que esse será um espaço de grandes experiências e desafios, escrever é uma arma poderosa e transformadora.

Muito legal saber da sua história com a escrita Aloysio e muito feliz em fazer parte com o sarau dela também ☺️ axé hermano! Tenho certeza que esse será um espaço de grandes experiências e desafios, escrever é uma arma poderosa e transformadora.
Aloysio Letra em Terça, 26 Abril 2022 18:26

Oprê ! Sá ! Cê não tá ligada o quanto foi importante aquele convite lá atrás pra fazer parte do livro de vocês. Carinho e respeito enorme amiga ! Bjo grande !

Oprê ! Sá ! Cê não tá ligada o quanto foi importante aquele convite lá atrás pra fazer parte do livro de vocês. Carinho e respeito enorme amiga ! Bjo grande !
Glaucia Barbosa em Quarta, 27 Abril 2022 07:59

Obrigada por compartilhar detalhes importantes da sua vida, certamente aprendi muito lendo tamanha riqueza 👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽

Obrigada por compartilhar detalhes importantes da sua vida, certamente aprendi muito lendo tamanha riqueza 👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽👏🏽
Aloysio Letra em Quarta, 27 Abril 2022 12:40

Oprê ! Glaucia, brigado demais por ler aqui e deixar um salve querida ! Nois quebrada ! UBUNTU

Oprê ! Glaucia, brigado demais por ler aqui e deixar um salve querida ! Nois quebrada ! UBUNTU
Zé Alves em Quinta, 28 Abril 2022 06:42

Aloísio, querido! O seu texto nos humaniza, humaniza a escrita e a fala. Muito obrigado!

Aloísio, querido! O seu texto nos humaniza, humaniza a escrita e a fala. Muito obrigado!
Aloysio Letra em Quinta, 05 Mai 2022 16:22

Oprê ! Brigado demais por ler cara. Todo mês estarei por aqui escrevinhando. Noisquetá ! Saravá !

Oprê ! Brigado demais por ler cara. Todo mês estarei por aqui escrevinhando. Noisquetá ! Saravá !
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Terça, 05 Julho 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://desenrolaenaomenrola.com.br/