Opinião

Falta de água no Jardim Santa Lúcia expõe desigualdades no abastecimento da Sabesp

Leia também:

Zona Sul de São Paulo – O Jardim Santa Lúcia, fundão do Jardim Ângela, periferia de São Paulo, vive dias críticos e secos. A água, recurso essencial à vida, tornou-se uma miragem para as quase mil famílias da região, que lidam com a ausência contínua do suficiente. São muitos dias sem uma gota cair da torneira na Rua Afonso Rui.

A indignação cresce à medida que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) não apresenta soluções imediatas, apesar de anunciar projetos futuros.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.

Vilma Carla (44), mãe de quatro filhas e avó de 1 neta, expressou sua exaustão: “Não aguentamos mais tanto descaso. Toda vez é a mesma resposta. Já não aguentamos tamanho abandono”. 

Já Willian Sales (42), casado e com duas filhas, que tem o sonho de sair do aluguel e está construindo uma casa para sua família, relata que sua obra teve que parar mais uma vez por falta de água. “O pedreiro pediu para parar a obra. É difícil, porque já não temos dinheiro e o pouco que temos não rende. Eles deviam pensar em quem é mais pobre”.

A comunidade, sentindo-se abandonada pelas autoridades, cogita medidas desesperadas como a contratação de um caminhão pipa para aliviar uma situação mais drástica. O preço por 5.000 litros é de 750 reais. Uma contradição, porque segundo o site Nível de Água em São Paulo, nos últimos 30 dias o sistema Guarapiranga ganhou 8,60% da sua capacidade máxima, o que corresponde a 1.471 milhões de litros, que são equivalentes a 73.530 caminhões pipa de 20.000 litros.

A busca por respostas levou um grupo de moradores até a sede da Sabesp. A companhia, no entanto, limitou-se a mencionar um projeto que promete melhorar o abastecimento na região até 2034, uma promessa distante que pouco faz para saciar a sede imediata da população. 

A falta de respostas objetivas sobre o problema atual aumenta a incerteza ao cenário já conturbado, exacerbado pelas discussões sobre uma possível privatização da empresa de saneamento, deixando o futuro do abastecimento como uma incógnita.

A crise não é apenas localizada. Dados mostram que a periferia de São Paulo enfrenta desafios de abastecimento muito maiores quando comparados aos bairros nobres. Enquanto regiões como o Jardim Santa Lúcia convivem com interrupções incomuns, áreas privilegiadas raramente experimentam tais inconvenientes.

Uma análise dos serviços da Sabesp revela que, em bairros nobres como Morumbi e Moema, as interrupções no fornecimento de água são pontuais e geralmente associadas a manutenções programadas, com avisos prévios e restabelecimento rápido. 

Em contraste, a periferia luta com a irregularidade e a imprevisibilidade não adequada, evidenciando uma disparidade que reflete desigualdades sociais e econômicas.

A situação do Jardim Santa Lúcia é um microcosmo de crise hídrica que afeta diversas outras comunidades periféricas, onde a água, um direito humano básico, é transformada em artigo de luxo. 

Os moradores, entre a denúncia e a revolta, aguardam ações concretas que possam trazer alívio imediato e garantir a segurança hídrica.

O olhar atento da sociedade e a pressão contínua sobre os responsáveis ​​são essenciais para garantir que o direito à água não seja apenas uma promessa distante, mas uma realidade para todos, independentemente do CEP. 

A questão permanece: até quando o Jardim Santa Lúcia e tantas outras comunidades terão que esperar por água?

O relato de Vilma e a luta dos moradores do Jardim Santa Lúcia não são apenas um apelo por água, mas um chamado por justiça social e equidade sem acesso aos recursos básicos. 

A Sabesp e as autoridades competentes devem considerar e responder com urgência à sede dos direitos que a periferia reivindica, antes que a seca física se transforme em uma seca de esperança.

Nota: A Sabesp foi contatada para comentar a respeito das ações imediatas e dos planos a longo prazo para o Jardim Santa Lúcia, mas até a publicação da coluna não houve retorno.


Este é um conteúdo opinativo. O Desenrola e Não Me Enrola não modifica os conteúdos de seus colaboradores colunistas.

Autor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.

Pular para o conteúdo