Notícia

São Mateus em Movimento e Casa das Caldeiras realizam oficinas de Parkour

Edição:
Redação

Leia também:

Parceria visa fortalecer integração entre os públicos e apropriação do espaço urbano.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.


São Mateus em Movimento

No mês de fevereiro, o coletivo São Mateus em Movimento fechou uma parceria com a Associação Cultural Casa das Caldeiras para a realização de oficinas de Parkour – técnica de criar obstáculos em qualquer ambiente, como escalar muros, pular, correr e se equilibrar em corrimãos. Foram quatro encontros, sendo dois no Clube Escola São Mateus, um no Parque Reservatório Sumaré e um na Casa das Caldeiras.

Em 2015 Joel Borges, Gestor da Casa das Caldeiras, visitou o espaço São Mateus em Movimento e desde então a parceria entre os dois pontos de cultura está se fortalecendo, com a objetivo de levar mais atividades culturais para dentro da comunidade e para a cidade de São Paulo como um todo.

Para Diego de Farias dos Santos, 28, morador de São Mateus e Coordenador do espaço São Mateus em Movimento, a oficina não fortaleceu apenas a questão da atividade cultural. “Por ser uma atividade diferente e “nova” os moradores que participaram se interessaram por saber do que se tratavam as oficinas e fortaleceram essa corrente para o desenvolvimento cultural e social da comunidade”.

Além disso, o encontro criou um diálogo e uma integração entre os parceiros, o professor e os participantes. A Casa das Caldeiras informou que um de seus objetivos fundamentais é trabalhar com outras instituições em outros territórios, criando um laço de comunicação, colaboração e co-criação. “Sabemos o quão importante é para espaços independentes e autônomos que trabalham com cultura e diversidade, realmente entender a cidade como um todo, estar conectado com as diferentes expressões e iniciativas”.

As oficinas contaram com a orientação do educador Jerônimo Bittencourt que apesar de praticar e dar aulas de Parkou há 12 anos, disse que essa experiência foi muita intensa e desafiadora para ele. “Havia muitas pessoas, o que é sempre delicado. Mas foi muito lindo a maneira como cada um lidou com a experiência, tendo conseguido realizar ou não determinado movimento”, conta o educador.

Com ambientes e públicos diferentes, o maior desafio das oficinas era o envolvimento das pessoas que frequentam um dos dois pontos culturais.

Para Farias, o que mais chama sua atenção é perceber a dificuldade que as crianças das periferias têm ao se deparar com um território diferente do delas. “Ter a sensação de não pertencimento gera um incômodo. Infelizmente isso é um fato que se perpetua há tempos, inclusive por conta das barreiras que o sistema impõe ao povo periférico que muitas vezes nos forçam a acreditar que o único espaço que nos pertecem são as favelas e os guetos”, enfatiza.

Ainda assim, o Coordenador do espaço São Mateus em Movimento comenta que o tratamento que as crianças receberam da equipe da Casa das Caldeiras fez com que elas se soltassem e aproveitassem as oficinas com conforto e bem estar.

Espaço Urbano

As oficinas serviram também como uma espécie de apropriação do espaço urbano como meio de expressão cultural e artística. Para a Casa das Caldeiras, o espaço público está aí para ser experimentado e vivenciado.

Para tanto, a enditade afirma que a pessoas envolvidas em projetos culturais devem contribuir, inspirar e propor formas diferentes de olhar os espaços, proporcionando novas experiências para a sociedade.

Já o professor Jerônimo afirma que “a apropriação do espaço acontece de maneira natural, como parte de um corpo não apenas capaz de subir muros e se equilibrar em corrimãos, mas de poder ver todas as possibilidades e dimensões do entorno. É preciso primeiro ser livre para depois pensar em se apropriar do espaço”.

Autor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.