OPINIÃO Umsoh

Os efeitos geracionais das revoltas nos Estados Unidos

Qual foi o resultado de algumas das maiores rebeliões raciais dos anos de 1960 nos Estados Unidos?
Foto Reprodução do Documentário "Black Wall Street", um massacre de centenas de negros nos EUA.

Os Estados Unidos posicionaram-se no poder após a segunda guerra mundial, antes disso era muito significativo, mas não era a potência mundial que se tornou. Derrotar as potências do eixo e salvar o "mundo democrático" deu ao país não apenas domínio militar e financeiro sobre o mundo, mas também promoveu igualdade, moralidade e como viver em uma sociedade civilizada.

O país sempre tentou manter essa imagem no exterior, enquanto os afro-americanos sempre conheceram Estados Unidos muito menos civilizados. É por isso que os líderes do movimento pelos direitos civis dos anos 1950 e início dos anos 1960 usaram táticas diferentes para mostrar ao mundo como a América era hipócrita.

Não foram violentos, não resistiram nem revidaram contra o pastor alemão, nem contra a agressão da polícia, nem contra as mangueiras de incêndio potentes que foram usadas contra os manifestantes. As imagens funcionaram, mostraram ao mundo uma realidade diferente, na qual ninguém pensava desde os 100 anos em que os negros estavam livres da escravidão naquela época. Pessoas ao redor do mundo ficaram chocadas e começaram a notar.

No entanto, a próxima geração não queria usar a mesma abordagem, os jovens durante a década de 1960, na época do meu pai, eram muito mais radicais. Estes foram os Baby Boomers, a primeira geração nascida após a segunda guerra mundial e muitos deles foram para o norte do país em áreas como Nova Iorque , Filadélfia, Detroit e Chicago, onde tem uma diferença na forma que os brancos racistas agem contra os pretos.

Essa geração viu tudo o que aconteceu por anos com os país deles e também a luta pacifica que os lideres no movimento de direitos civis adotaram no sul e cansaram de ver o pacifismo sendo utilizado para combater violência.

Confira um pouco de registros históricos da memória negra americana no documentário "Black Wall Street", um massacre de centenas de negros nos EUA.

Estávamos nascendo nas cidades do norte. Essas cidades do norte tinham os mesmos problemas que as do sul, mas tinham trabalho nas fábricas e um tipo de organização diferente do sul. No sul, se você não se afastasse quando um homem branco caminhava em sua direção, você poderia morrer arrancado de sua casa no meio da noite e levado para uma área arborizada e enforcado, inúmeras mulheres e homens negros foram mortos assim, brutalmente por qualquer motivo,esses crimes eram naturalizados, os brancos não eram punidos.

Isso significa que no sul não havia muitas rebeliões raciais como no norte. Essas rebeliões no norte, principalmente na década de 1960, foram causadas por uma série de fatores. A número um foi a integração racial.

Se você estudar a história dos Estados Unidos, saberá que houve duas grandes migrações diferentes de afro-americanos que se mudaram para o norte após a escravidão. Antes da segunda grande migração, muitos brancos nunca tinham visto negros e logo eles estavam se mudando para os mesmos bairros.

Quando isso aconteceu, o resultado foi o que chamamos de "vôo branco". Os brancos venderam suas casas por um dinheiro muito baixo e se mudaram para novas cidades chamadas "subúrbios", que estavam sendo construídas ao redor das grandes cidades, onde criaram bairros agradáveis com uma alta qualidade de vida, "o sonho americano", pois a qualidade dos bairros que deixaram continuava a declinar e decair, e embora a maioria dos residentes agora fosse negra, a força policial permaneceu branca e tão racista quanto a polícia do sul que era filha da klu klux klan.

Essa mistura criou o ambiente que culminou na rebelião da raça urbana moderna que temos visto nos últimos 60 anos. Mas qual foi o resultado de algumas das maiores rebeliões racial daquela época?

Eu carrego o sobrenome Fields, nasci na cidade de Newark, em New Jersey, muitas partes dessa cidade foram destruídas em 1967 durante a rebelião. Muitos de nossos bairros foram destruídos e, com a saída de todos os brancos, não houve mais investimento na cidade.

Muitas das fábricas fecharam e, na época em que nasci não havia muitas coisas positivas que as pessoas estavam dizendo sobre Newark, New Jersey. Com oportunidades econômicas limitadas, muitos jovens residentes começaram a vender drogas e formar gangues, com mais dinheiro das drogas vieram mais armas e guerras de gangues que ainda persistem até hoje.

É um fato que as rebeliões em muitas das maiores cidades dos Estados Unidos por um longo período pioraram de muitas maneiras as condições dos afro-americanos. Não é muito popular falar sobre os efeitos negativos das rebeliões dos anos 1960 e de todas as outras coletivas, como você pode ver o espírito da rebelião violenta ainda está muito vivo.

As rebeliões que aconteceram nos últimos meses são muito diferentes, pois estão em um momento de conectividade online, onde as pessoas recebem informações rapidamente e todo o mundo saiu às ruas protestando. Tenho minhas suspeitas se foi só para conseguir sair de casa durante a quarentena, mas isso é outra história.

Recentemente, em meio a tudo o que aconteceu com George Floyd e o clamor público, vi muitos posts escritos por brasileiros dizendo que os brasileiros não saem às ruas e não destroem seus próprios bairros como os norte-americanos fazem. Pensei comigo mesmo, as pessoas que estão dizendo isso provavelmente não têm ideia das consequências, do verdadeiro impacto e o custo futuro que essas violentas rebeliões causam na sua vida e na sua comunidade, porém nada muda em relação ao racismo estrutural.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Acesse sua conta
Visitante
Quinta, 04 Março 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://desenrolaenaomenrola.com.br/