NOTÍCIA

CyberFunk: conheça o futuro do funk nas periferias e favelas

Edição:
Ronaldo Matos

Leia também:

Movimento futurista criado por jovens da Brasilândia, zona norte de São Paulo, visa transformar o funk numa tecnologia de impacto social de geração de renda, trabalho e autoestima da juventude periférica.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.


Foto: Dan Fotografia

“Cada pessoa da quebrada é uma estrela, e o nosso baile é um sistema solar”. Essa é definição que o rapper Rincon Sapiência canta em sua música “Amor e Calor”. Essa referência musical inspirou jovens da Brasilândia, zona norte de São Paulo, a criar um novo imaginário sobre o futuro da cultura do Funk nas periferias, transformando os jovens em protagonistas desse cenário.

A partir destas experiências culturais, dois jovens moradores do território da zona norte criaram o Cyberfunk, uma tendência de tecnologias sociais que na visão deles irão transformar a relação das pessoas com o Funk,  diferente da forma como ele é conhecido nos dias atuais. 

Essa história começa a partir do trabalho cultural de Milena Fonseca, 21, moradora do Jardim Carumbé, bairro localizado no distrito da Brasilândia, zona norte da cidade. Ela é diretora criativa e produtora da festa Afrika Queens, um evento dedicado a resgatar e celebrar a ancestralidade e o protagonismo da mulher negra.

Junto com o fotógrafo Danilo Santos 21, morador de Taipas, bairro localizado em Pirituba, criaram um editorial fotográfico denominado CyberFunk, que segundo eles, é o ponto de partida para o movimento futurista ganhar uma estética e um significado popular e acessível a outros jovens das periferias, por meios das redes sociais.

O editorial retrata através da fotografia os cenários culturais que eles pretendem criar e estar no futuro do funk em suas quebradas. Para esse processo ser elaborado, eles imaginaram um futuro, onde o funk não seja só o movimento que agita as noites na quebrada, mas que também traga um protagonismo para juventude periférica.

“São jovens de vários lugares da cidade contribuindo para essas tendências, essas criações e movimentos” 

Milena Fonseca

“O Funk sempre foi popular, como DJ, eu posso dizer que o Funk é o que anima as festas sabe. Se tocar o Funk a festa vai animar na hora, é uma coisa que foge do nosso entendimento”, afirma a produtora cultural.

Ela não se compromete em trazer uma definição sobre o Funk, mas sim explorá-lo em suas diversas narrativas para criar vários imaginários de futuro. “Ele revoluciona, ele cria tendência sabe, ele dita muitas coisas na cidade, e é um movimento inteiro, são jovens de vários lugares da cidade contribuindo para essas tendências, essas criações e movimentos”, complementa.

Milena faz parte da direção criativa do editorial CyberFunk. Ela conta que teve a ideia de construir cenários de futuro para o Funk e para a juventude periférica quando se juntou com outros artistas envolvidos no projeto, como a Mc Luana, na qual, ela considera uma artista incrível que inspirou a desenvolver a ideia do funk futurista.

O próximo passo de Milena foi mergulhar em referências na internet para criar o nome e o conceito do projeto. “Surgiu esse nome Cyber por causa dessas novas tecnologias que a gente tá acessando e da nova era que a gente tá vivendo”, explica.

Danilo relembra o momento quando os jovens começaram a produzir o editorial CyberFunk, “Fiquei muito feliz nesse dia que ela me mandou toda a proposta, eu fiquei no pique de produzir. O resultado foi muito longe, se é louco”, elogia o fotógrafo, afirmando que os artistas envolvidos também ficaram satisfeitos com o resultado do trabalho.

O editorial CyberFunk pode ser acessado por meio do Instagram. Atualmente, os criadores do conceito futurista vêm utilizando seus perfis pessoais nas redes sociais para alcançar e se conectar com a juventude periférica, que enxerga no funk um movimento cultural transformador.

“Hoje a internet é o nosso maior transporte”, avalia a produtora executiva. Ela revela que o projeto irá ganhar novos formatos de conteúdo para abordar o tema CyberFunk.

A diretora relembra que esse movimento do CyberFunk vem na tentativa de modificar alguns conceitos que existem atualmente no Funk. “A cena do funk ainda é muito quadrada em relação às mulheres, em relação a identidade de gênero, em relação a várias coisas. Eu acredito que quem pode modificar isso somos nós”, acredita Milena.

O fotógrafo que é parceiro de Milena no projeto CyberFunk enfatiza a sua crença no Funk e ressalta como essa cultura está conectada com a transformação da juventude periférica. “O funk já passou o tempo de falar muita besteira sabe, hoje os moleques e as minas estão vindo pra revolucionar de verdade, eu acredito nisso, nessa melhoria sempre na área do Funk”.

Um dos propósitos do CyberFunk, segundo Danilo é abordar a autoestima da juventude periférica, para que as pessoas possam se reconhecer como parte deste movimento. “Nosso trampo tem tudo haver com autoestima, a pessoa não se vê como ela é, aí vendo uma foto que foi tirada ela fala: caramba eu sou bonita sim”, analisa o fotógrafo.

Para Danilo, conectar a arte da fotografia com a autoestima da pessoa logo após o fotógrafo ressalta que trazer esses temas para seus trabalhos se conecta com sua arte

“Eu gosto de levantar a autoestima da pessoa, meu trabalho é esse também. Eu acho que isso faz parte do Funk também”, acrescenta Danilo, destacando que o seu trabalho está crescendo e que ele começará a trabalhar também com artistas que cantam Funk agora. “Recentemente eu abri um canal no Youtube e vou começar a produzir clipe também, quero fazer isso”.

O Funk e a economia da quebrada 

Ao descrever a necessidade de trazer novas narrativas de futuro para uma cultura que sofre repressão dentro das periferias, Milena ressalta que além de um impacto cultural, o CyberFunk visa ter um impacto econômico na vida de diversos moradores das periferias, que muitas vezes se encontra sem perspectiva de futuro.

“É a porta de oportunidade para várias pessoas periféricas. Ser um MC e trampar com isso é um sonho que consome a juventude de verdade, em cada quebrada tem pessoas, tem artistas que subiram e conseguiram fazer uma grana e ser reconhecidos”, enfatiza Milena.

Foto: Dan Fotografia

Ela complementa sua visão de futuro afirmando a necessidade de criar uma identidade cultural aonde a periferia não ganhe apenas com a música, mas com todo o ecossistema que gira em torno dela. “Eu acho que a economia vira uma chave porque aí já é outra história, não necessariamente sendo MC, mas fazendo outras coisas”, explica.

Um dos cenários de futuro apontados por Milena para o desenvolvimento da economia do Funk nas periferias é a construção de uma rede social voltada para o movimento CyberFunk. “Imagino toda arte feita de neon, pessoas fabricando seus próprios kits, pessoas fabricando suas músicas e vendendo nesta rede social também”, vislumbra.

Ao lado da sua parceira de trabalho, Danilo ressalta a importante presença do Funk no ciberespaço, como uma das principais ferramentas de visibilidade para Mc’s, para além dos bailes de favela. “Mano o funk faz as pessoas se sentirem feliz, imagina quando isso melhorar ainda mais tá ligado? Tem vários menor que curte e quer fazer um som hoje em dia e que se vê na internet”, exclama o fotógrafo.

Com uma consciência crítica e bem apurada sobre a importância das tecnologias, os artistas afirmam que ela é um meio de comunicação eficiente e acessível para conseguir se expressar, mas ressaltam que não é um fim, e traz a necessidade de enxergar além dos algoritmos. “A internet aproxima e facilita nosso trabalho para que ele chegue mais longe, e o trabalho de outras pessoas que estão longe chegue até a gente, mas a arte tá quase em tudo, só ter a sensibilidade de enxergar, que você vai ver estar em tudo”, conclui Milena. 

Autor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.