Notícia

Conheça 10 blocos de rua para curtir o carnaval nas periferias de São Paulo

Edição:
Evelyn Vilhena

Leia também:

 Você acha que só dá para curtir o carnaval saindo da sua quebrada? Saiba que não! Separamos 10 bloquinhos para você curtir o feriado também nas periferias.



ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.

Bloco do Beco durante Carnaval de 2020 – Jardim Ibirapuera, zona sul, 22/02/2020. Foto: Divulgação.

Para te ajudar a curtir o carnaval de rua mais perto de casa, separamos 10 blocos carnavalescos que desfilam a partir do dia 18 de fevereiro em várias quebradas de São Paulo.

“O Bloco dos Zatt’revidos foi feito por um coletivo de moradores da Vila Zatt que entendeu a necessidade de se buscar uma alternativa para participação popular no maior evento cultural do país”.

Ademir de Novaes, um dos fundadores do Bloco dos Zatt’revidos, da região de Pirituba, zona norte de São Paulo.

Por mais que a região central e o centro expandido concentrem cerca de 60% dos blocos de carnaval – só a região da Sé receberá 126 desfiles, um quarto dos 507 aprovados pela prefeitura, segundo dados da Secretaria Municipal de Cultura – tem uma galera de quebrada que busca mudar esse cenário, criando iniciativas culturais e sociais nas periferias para democratizar a folia.

“Nosso maior objetivo é trazer para nossa comunidade a magia do carnaval, descentralizar e deselitizar o carnaval de rua.”

Bloco Copo Quebrado, da COHAB Juscelino, região de Guaianases, zona leste de São Paulo.

Tem para vários gostos e estilos: das tradicionais marchinhas, passando por sambas-enredo, sambas clássicos e até baião. Escolha o seu preferido, prepare o look e já chama os amigos e familiares para curtir. De quebra você ainda fortalece a economia e projetos sociais da sua quebrada.

Zona Norte – SP

1. Embondeiro Queixada – Salve o povo da rua!

Comunidade Cultural Quilombaque durante evento em Perus, zona norte de São Paulo, em maio de 2022. Foto: Divulgação.

O bloco afro-percussivo Embondeiro Queixada faz do carnaval da Comunidade Cultural Quilombaque, um movimento político, étnico e cultural regido pelos tambores, com 15 anos de luta e resistência em Perus, zona norte. Por meio de uma proposta afro-religiosa, o bloco saúda os antepassados, pede por proteção e abertura de caminhos, resgatando uma ancestralidade afro-ameríndia.

Data e horário: 18/02/23, às 14h.
Local: Rua Júlio Maciel s/n (em frente à Casa do Hip Hop Perus), entrada do Recanto dos Humildes, Perus, Zona Norte.

2. Bloco dos Zatt’revidos

Desfile Bloco dos Zatt’revidos na Vila Zatt, Pirituba, zona norte de São Paulo, em março de 2019. Foto: Divulgação.

O Bloco dos Zatt’revidos foi criado no final de 2012 por um coletivo de pessoas da Vila Zatt, encabeçado por Ademir de Novaes, em Pirituba, zona norte. Além de realizar o desfile desde 2013, a organização também oferece aulas de percussão e capoeira para as crianças do bairro, que precisam estar matriculadas na escola. O projeto é mantido por meio de rifas, eventos e confecção de abadás feitos pela comunidade. O desfile já se tornou uma referência de lazer e cultura para a região, levando para as ruas mais de 1200 pessoas de todas as idades, ao som de marchinhas típicas e muito samba.

Data e horário: 18/02/23, às 14h.
Local: Rua Jenny Bonilha Costivelli, esquina com Rua Dr. Joe Arruda, Pirituba, Zona Norte.

3. Samba do Balaio do Canjico

Samba do Balaio do Canjico e Samba do Congo. Vale do Anhangabaú, abril de 2022. Foto: Divulgação.

O Samba do Balaio do Canjico existe desde setembro de 2013, e foi criado com o objetivo de promover um encontro da população com o samba. Mantido pela própria comunidade, por meio de vaquinhas, sorteios e vendas de camisetas, blusas e bonés, oferece um desfile que propicia um espaço de confraternização para ser desfrutado por toda a família, com base nos pilares: amizade, alegria, consciência e resistência.

Data e horário: 25/02/23, às 14h.
Local: Rua Raimundo da Cunha Matos – Sítio Morro Grande, Zona Norte.

Zona Sul – SP

4. Bloco do Beco

Bloco do Beco durante Carnaval no Jardim Ibirapuera, zona sul, em 22/02/2020. Foto: Divulgação.

O bloco nasceu no Jd.Ibirapuera, onde muitos batuqueiros da região desfilavam – ou tinham vontade de desfilar – nas grandes escolas de samba, mas precisavam enfrentar obstáculos, como a distância e os gastos. O primeiro desfile ocorreu em 2002 e reuniu cerca de 50 pessoas. Hoje o grupo arrasta mais de 2 mil foliões atrás do trio elétrico, que toca marchinhas, sambas enredos e outros sambas do gosto popular, tornando-se parte da cultura do bairro e se consolidando como um bloco tradicional e ponto cultural na região.

Data e horário: 18/02/23, às 12h.
Local: Rua Salgueiro do Campo, 612 – entre as ruas Margarida de Fátima e Pinhal Velho, próximo ao ponto final do Jardim Ibirapuera, Zona Sul

5. Bloco do Hercu – 10 anos de Re-existência

Bloco do Hercu durante Carnaval no Jardim Herculano, zona sul, em 23/02/2020. Foto: Divulgação.

O Bloco do Hercu é um projeto cultural sem fins lucrativos, organizado de maneira horizontal por seus membros e que desenvolve atividades no Jardim Herculano. Desfilando pelas ruas do bairro desde 2013, propõe a realização de um carnaval popular em que as pessoas possam festejar no bairro onde residem, de forma tranquila e gratuita. Busca fortalecer os laços culturais existentes e estimular a convivência, o espírito comunitário e o senso de pertencimento, através do resgate da arte e magia do carnaval de rua.

Data e horário: 19/02/23, às 11h.
Local: Rua Ignácio Limas (em frente à UBS Jardim Herculano), Jardim Herculano, Zona Sul

6. Bloco Afro É Di Santo – Águas de Axé

O grupo Afro É Di Santo surgiu em 2010, a partir da junção de alguns percussionistas da região do M’Boi Mirim para elaborar projetos musicais: oficinas, shows, workshops e a formação de um bloco de percussão afro-brasileira. O bloco desfila pelas ruas do bairro de Piraporinha, com as cores amarelo e branco. O tema do Carnaval deste ano é “Águas de Axé, nos caminhos do Bloco Afro É Di Santo”, destacando que a água é essencial para a humanidade e um fator elementar na Umbanda e Candomblé, vista como um símbolo potente de renovação, com poder de limpeza, purificação e energização.

Data e horário: 20/02/23, às 14h.
Local: Casa de Cultura do M’Boi Mirim, Avenida Inácio Dias da Silva, Piraporinha, Zona Sul.

Zona Leste – SP

7. Cordão Sucatas Ambulantes – Bloco Caras e Caretas para espantar a caramunha

Sucatas Ambulantes na Praça Brasil, COHAB 2, zona leste, em dezembro de 2019. Foto: Divulgação.

Fundado em 2007, o Cordão Folclórico de Itaquera “Sucatas Ambulantes” é um grupo de pesquisa e valorização da cultura popular que confecciona diversos tipos de bonecos, realiza cortejos de rua e blocos carnavalescos. Com influência de grupos como o Cordão Folclórico de Tatuí fundado em 1928, Cabeções Vovô da Serra do Japi de Pirapora do Bom Jesus e dos Gigantões de São Luiz de Paraitinga, o cordão vai às ruas com a batucada do samba de bumbo, contribuindo com a preservação de uma das expressões mais antigas do carnaval.

Data e horário: 19/02/23, às 15h.
Local: Praça Brasil, Av. Nagib Farah Maluf, Conj. Res. José Bonifácio, Zona Leste.

8. Bloco do Sabota

Bloco do Sabota durante desfile de Carnaval no Jardim Samara, zona leste, em 05/03/2019. Foto: Divulgação.

O Bloco do Sabota foi fundado no final de 2017 pela torcida do time de futebol Família Sabotagem, do Jardim Samara, zona leste – que já era conhecido pelo esporte e pelo samba na beirada de campo. Criado para unir a comunidade e espalhar alegria pelas ruas do bairro, o primeiro desfile ocorreu em 2018 e levou cerca de 1.500 pessoas às ruas para seguir a bateria do bloco, tocando sambas-enredo e marchinhas de carnaval. Segundo os organizadores, o sucesso do evento deu-se por conta da fórmula: amor + amizade + vontade.

Data e horário: 21/02/23, a partir das 12h.
Local: Avenida Professor Xavier de Lima, em frente à escola Humberto de Campos, Vila Matilde, Zona Leste.

9. Bloco do Baião

Bloco do Baião e Sacha Arcanjo e Alzira Viana (ao centro) – homenageados do desfile deste ano, em 09/02/23. Foto: Divulgação.

O Bloco do Baião foi criado pelo Mestre Lua 2012, para homenagear o Centenário de Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, na Praça do Forró, em São Miguel Paulista, zona leste, com um grande cortejo que passou por pontos turísticos do bairro, até chegar à Casa de Farinha. Em 2023, o grupo fará homenagem a dois mestres de cultura do bairro de São Miguel Paulista: Sacha Arcanjo e Alzira Viana, fundadores da Praça do Forró e do Bloco do Baião.

Data e horário: 21/02/23, às 17h (Carnaval de Rua de São Miguel Paulista – das 12h Às 21h)
Local: Avenida Deputado Doutor José Aristodemo Pinotti, 1100, entre a Avenida Nordestina e a Moacir Dantas do Itapicuru, São Miguel Paulista, Zona Leste.

10. Bloco Copo Quebrado

Bloco Copo Quebrado durante desfile de Carnaval passado, na COHAB Juscelino, zona leste. Foto: Divulgação.

O bloco foi criado em janeiro de 2017, na COHAB Juscelino, em Guaianases, zona leste de São Paulo, com o objetivo de levar arte e cultura para a comunidade e aproximar a magia do carnaval. Suas cores vermelho, azul, amarelo e preto representam, respectivamente, a capa de São Jorge, o manto da Nossa Senhora Aparecida, o povo (que apresenta como seu maior tesouro) e a luta contra o preconceito, seja racial, religioso, de gênero etc.

Data e horário: 21/02/23, às 12h.
Local: Avenida Utaro Kanai, número 795 a 120, COHAB Juscelino Kubitscheck de Oliveira, Guaianases, Zona Leste.

Autor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.