ENTREVISTA

“Através da pipa parei de beber”: brincadeira de infância muda estilo de vida de morador da periferia

Morador cria coletivo de pipeiros para reunir amigos e praticar brincadeiras de infância. Além de diversão, a iniciativa trouxe benefícios para sua saúde física e mental.
Edição:
Ronaldo Matos

Leia também:

Em um final de semana, a equipe Pipeiros do Ipava, reúne cerca de 30 pessoas para praticar a tradicional brincadeira de infância de empinar pipa em um terreno no Jardim Jacira, em Itapecerica da Serra, na Região Metropolitana de São Paulo. Para Adriano Magalhães, co-fundador do coletivo de pipeiros, a atividade é uma questão de autocuidado.

O objetivo no início era resgatar a brincadeira de infância, um costume de diversão que, embora tenha marcado sua vida, não era aprovado pelo pai, que considerava que isso era coisa “de quem não tinha o que fazer”.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.

“A sensação de correr atrás do pipa é de liberdade, sinto que vai me fazer bem”, afirma Magalhães, morador da Cidade Ipava, periferia da zona sul de São Paulo.

“Três varetas, papel de seda e a rabiola são a diversão da periferia”

Adriano Magalhães de Siqueira, presidente da equipe Pipeiros do Ipava
Adriano transformou os finais de semana ao lado da Equipe Pipeiros do Ipava em momento de autocuidado e bem estar com amigos e filhos. (Foto: Arquivo Pessoal)

Com a notícia da criação da equipe Pipeiros do Ipava se espalhando, novos membros chegaram – hoje são cerca de 80 – e empinar pipa passou a mudar para melhor a rotina dos finais de semana do grupo de amigos.

“Através da pipa mudei o estilo de vida pra melhor, parei de beber, não falo palavrão, me tornei mais educado”, afirma Magalhães, que durante 10 anos ingeriu bebida alcoólica excessivamente.

“Nos festivais que faço com a minha equipe não tem nenhum tipo de bebida, por exemplo, justamente por todos saberem do que já passei — e alguns deles também. Todo mundo respeita muito”, conta o pipeiro.

Adriano incentiva o resgate de brincadeiras de infâncias para mostrar as crianças que existem outras formas de diversão e interação, além do celular. (Foto: Arquivo Pessoal)

Resgate de infâncias

Para Magalhães, presidente da equipe Pipeiros do Ipava, o resgate da infância é um impacto importante provocado pela pipa nas crianças de hoje. Para ele, vê-las brincando na rua e saindo da frente das telas de celular e televisão é primordial para o desenvolvimento e criação de memórias desta fase da vida.

“Minha filha tem 11 anos e hoje tem o celular da moda, mas na minha época era diferente, minha diversão era outra e eu fico feliz quando vejo que ela faz coisas que eu fazia, como cair de bicicleta e se machucar, ela tá vivendo”, relata o pipeiro.

“Quero mostrar como é bom ser feliz e com pouco, trazer de volta a essência das brincadeiras do passado”

Adriano Magalhães de Siqueira, pipeiro

Além do resgate do que foi a sua própria infância com os amigos nas ruas e lajes das periferias da zona sul de São Paulo, o presidente da equipe Pipeiros do Ipava entende que sua missão é apresentar outras brincadeiras para as crianças, que sejam interativas e sem um grande custo para os pais.

“Com 1 real o moleque já pode ter uma pipa e se divertir. Eu comento sempre com a minha esposa sobre isso de a gente querer trazer isso de volta, pedra por pedra e quem sabe construir um castelo. E não é só sobre pipa, estamos trazendo brincadeiras das antigas: esconde-esconde, pega ladrão e são brincadeiras que não tem um custo, mas tem valor”, finaliza.

Autor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.