Reportagem

Aplicativo aproxima moradoras de empregos e cursos nas periferias de São Paulo

Edição:
Ronaldo Matos

Leia também:

80% dos usuários do aplicativo Akiposso+ são mulheres e 20% delas são mães solo e chefes de família.


A iniciativa foi criada na pandemia para combater os impactos causados pelas desigualdades sociais no cotidiano dos moradores. (Foto: Divulgação)

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.

A iniciativa foi criada na pandemia para combater os impactos causados pelas desigualdades sociais no cotidiano dos moradores. (Foto: Divulgação)

A startup Akiposso+ surgiu em abril de 2020, período de intensificação das desigualdades sociais nas periferias e favelas, causadas pela crise econômica que tirou o emprego e a renda dos moradores. Disponível para dispositivos Android e IOS, o principal objetivo do aplicativo é promover soluções de inclusão social por meio do mapeamento dos problemas que surgiram nos territórios periféricos das regiões leste, oeste e sul de São Paulo durante a pandemia.

Uma das usuárias é a manicure Mirlei Souza Fernandes, 36, que vive com a família no Jardim São Luiz, zona sul de São Paulo. Ela conta que soube do aplicativo por meio de uma cunhada que também mora na região. A dona de casa afirma que encontrou no aplicativo uma forma de transformar a realidade em que vivia desde que a filha mais velha, hoje com 11 anos, nasceu.

“Comecei a acessar o app durante a pandemia quando eu e meu esposo ficamos desempregados. Começamos a procurar Ongs que distribuem alimentos porque só a cesta básica fornecida pela escola não estava dando conta. Fiz o cadastro e não demorou muito para que eu fosse chamada para retirar os alimentos em um dos pontos de distribuição perto de casa”

 Mirlei Souza Fernandes é moradora do Jardim São Luiz, zona sul de São Paulo.

Além do cadastro para acesso a banco de alimentos fornecidos por empresas parceiras do aplicativo, os usuários também encontram uma série de oportunidades de emprego, cursos de empreendedorismo, educação financeira, técnicas de vendas e marketing, em parceria com o SEBRAE.

Mirlei relata que apesar de ter procurado o app em busca de uma ajuda pontual, continuou acessando outras coisas dentro da plataforma. “Fiz muitos cursos dentro do aplicativo: manicure, designer de sobrancelha e designer de unhas. Através do app comecei a fazer curso em outros lugares e isso me instigou a querer voltar a estudar”, revela orgulhosa a empreendedora que conta ainda que já prestou vestibular para pedagogia e tem planos de ingressar na universidade no primeiro semestre de 2023.

Mirlei Souza Fernandes passou a usar o app e conquistou uma série de mudanças positivas na carreira profissional. (Foto: Aquivo Pessoal)

“Conhecer esse app expandiu meus horizontes. Estava há 10 anos em casa sem trabalhar e isso me fez ficar muito introspectiva, quando minha segunda filha nasceu isso se intensificou – não queria mais sair de casa. Hoje eu sei que consigo estudar, trabalhar e cuidar das minhas filhas” 

Mirlei Souza está se preparando para ingressar no curso de pedagogia.

Dados e impacto social

Segundo levantamento realizado pela equipe do Akiposso+, 80% dos usuários cadastrados na plataforma são mulheres e 20% delas são mães solo e chefes de família, que assim como a Mirlei estão encontrando um novo caminho por meio do empreendedorismo social.

Outro trabalho realizado pelo App é a interação com os moradores dos territórios em que atua. O desenvolvimento dessa conexão dentro das comunidades é realizado pelos Agentes de Transformação ou Anjos como também são chamados os responsáveis pelo mapeamento com os moradores.

“A equipe nunca vem às comunidades sem antes ter uma ponte, no caso do meu território foi através da Associação dos trabalhadores e moradia popular, que virou centro de distribuição de doações: alimentos, fraldas descartáveis, produtos de higiene, entre outros”

Leila da Silva Bonfim é moradora do Jaraguá e componente do Anjos desde 2020.

Além do trabalho que realiza como agente de transformação, Leila também se formou em assistente administrativo, logística e controladora de acesso em uma instituição parceira do app. Para ela é importante que as iniciativas não sejam apenas assistencialistas e defende que levar educação para as pessoas é fundamental para quebrar ciclos de dependência. Leila também foi premiada com uma bolsa de iniciação científica pelo CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) para incentivo à pesquisa no Brasil.

Uma das criadoras do aplicativo Akiposso+ é Priya Patel, 49, moradora do Jardim Panorama, na zona eeste da capital paulista. Ela nasceu na África do Sul e veio para o Brasil com a família na época do Aparthaide, regime político de segregação racial que assolou negros e indianos que viviam na África do Sul em meados da década de 50.

Por conta da origem e de tudo que viu nos países por onde passou, não hesitou em reunir os amigos que conhecia para mobilizar ações de combate à fome durante a pandemia. Com 23 anos de experiência em grandes empresas do mundo corporativo, ela sabia quem poderia ajudar naquele momento.

“Começamos o mapeamento em quatro comunidades para entender o grau de vulnerabilidade nesses territórios: Jd. São Luiz, na Zona Sul; Jd. Jaraguá, na Zona Oeste; Jd Pantanal e Jd Helena, na Zona Leste – os últimos dados do censo foram colhidos em 2010 e quando se tem dados muito antigos você não consegue aplicar Políticas Públicas, entender as necessidades, dar acesso às oportunidades e conectar com parceiros”

Priya Patel é moradora do Jardim Panorama, na zona oeste de São Paulo. 

Priya conta que o mapeamento foi importante para revelar que as pessoas não queriam apenas o alimento, eles tinham necessidade de educação e cultura e foi aí que a questão da assistência social foi além, abrindo parcerias para ongs e instituições de ensino.

“Nos definimos como uma startup de tecnologia social – a gente trabalha com muitos dados, fomos atrás para entender o que de fato as pessoas precisavam não só durante a pandemia. Quem está fora tende a achar que quem está em situação de vulnerabilidade quer um assistencialismo, mas as pessoas querem chances para desenvolver suas habilidades. O aplicativo é justamente para esse fim: conectar e unir isso em um só lugar”, explica a desenvolvedora.

Saiba mais: 

Para conhecer mais sobre as oportunidades oferecidas pelo aplicativo, faça o download pela Google Play Store ou acesse neste link.

Autor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.