Opinião

A periferia em marcha pela vida e pela paz

Por:
Rafael Cícero, com colaboração de Saulo Vilanova

Leia também:

“Dois de novembro, era Finados

Eu parei em frente ao São Luiz, do outro lado

E durante uma meia hora olhei um por um

E o que todas as senhoras tinham em comum?

A roupa humilde, a pele escura

O rosto abatido pela vida dura

Colocando flores sobre a sepultura

(“podia ser a minha mãe”)

Que loucura

Cada lugar uma lei, eu tô ligado

No extremo sul da Zona Sul tá tudo errado

Aqui vale muito pouco a sua vida

A nossa lei é falha, violenta e suicida”

Sobrevivendo no inferno – Racionais MCs

Há quase três décadas, no dia 2 de novembro, as ruas da zona sul de São Paulo são tomadas por milhares de pessoas em marcha contra a violência tratada e denunciada na música dos Racionais em defesa da paz. 

A Caminhada Pela Vida e pela Paz é uma das principais mobilizações sociais da região do M’Boi Mirim, resultante da articulação e mobilização de diferentes movimentos, coletivos e instituições que se organizam no Fórum em Defesa da Vida.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.

Essa mobilização nasceu em 1996, ano em que o Jardim Ângela foi considerado pelas Nações Unidas (ONU) como o bairro mais violento do mundo, e junto com seus bairros vizinhos, Capão Redondo e Jardim São Luís, ficaram conhecidos como “triângulo da morte” pela mídia. 

É importante dizer que essa violência que atingiu e atinge essas periferias é parte do Genocídio Brasileiro, denunciado por Abdias do Nascimento. 

A maioria das vidas enterradas no cemitério São Luís é de homens jovens e negros, como diz a música: “E o que todas as senhoras tinham em comum? A roupa humilde, a pele escura”.

Todo ano a Caminhada elege uma luta. Nessa 28° o tema foi “Saúde Mental na quebrada é fundamental”. A Caminhada pauta esse assunto tão importante e tão desassistido por políticas públicas e mesmo pelo senso comum da sociedade.

Moradores do São Luís, Jardim Ângela e Parque Santo Antônio, na zona sul de São Paulo, no dia 2 de Novembro de 2023, na 28ª edição da Caminhada pela Vida e pela Paz, que encerrou no cemitério São Luiz. Foto: Diogo Ramalho.

Infelizmente, a saúde mental é privilégio de poucos, mas a 28°caminhada reivindicou como Direito. 

Quantos são os CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) na nossa região? Quanto tempo levamos para conseguir um atendimento psicológico ou psiquiátrico nas nossas UBS? Qual é o orçamento dedicado à Assistência Social do município de São Paulo? Como isso chega para as periferias? De que forma o Estado apoia iniciativas que tentam cobrir essa lacuna do próprio Poder Público? 

Essas perguntas são fundamentais para entendermos como a nossa quebrada ainda está muito distante do acesso digno à saúde mental. E mais grave que isso são também as razões que proporcionam à população preta, pobre e periférica o adoecimento: o trabalho exaustivo, a pobreza e a desigualdade social, racial e de gênero, o transporte público precário, a violência de Estado, a lgbtfobia, a intolerância religiosa, a falta de opções de lazer e cultura, a estrutura educacional que repete os ciclos de violências e tantos outros problemas que nos estigmatizam. 

Na Caminhada, encontramos muitos jovens e educadores, mas uma grande participação é das mães que perderam seus filhos para violência, mulheres que transformaram suas dores e seu luto em LUTA, em força para lutar pela paz, pelo direito à vida e pela Periferia. 

Outro sujeito importante nessa mobilização social foi o Padre Jaime, que das 28 caminhadas esteve à frente em 26, por isso um momento especial da caminhada foi a homenagem prestada ao querido Jaime.

Moradores do São Luís, Jardim Ângela e Parque Santo Antônio, na zona sul de São Paulo, no dia 2 de Novembro de 2023, na 28ª edição da Caminhada pela Vida e pela Paz, que encerrou no cemitério São Luiz. Foto: Diogo Ramalho.

Cansado de enterrar jovens, padre Jaime dizia que não adiantava ficar apenas rezando para o problema desaparecer, era necessário engajamento popular, articulação e mobilização de diferentes sujeitos sociais e do Estado, que é responsável pela segurança pública e que em muitos casos eram promotores da própria violência. 

Com sua práxis freiriana, padre Jaime sempre denunciava e anunciava, assim a Caminhada pela Paz nunca foi um espaço apenas de manifestação e denúncia, ao contrário: ela anuncia e reivindica a paz e tantas melhorias e necessidades da região. 

Dessa forma, graças às caminhadas muitas conquistas foram alcançadas. No campo da saúde, por exemplo, conseguimos o Hospital M’Boi Mirim, no Jardim  Ângela; na segurança pública, as bases comunitárias da Polícia Militar; na educação, mais escolas; na Assistência Social, mais serviços como os CCA’s e os CJ’s. 

Como a saúde mental, outras demandas da periferia, ainda não são atendidas, nem mesmo a violência acabou. Portanto, a luta continua, as marchas continuam, e a organização popular precisa continuar. Precisamos ter coragem como sempre dizia o padre Jaime. 

E ainda parafraseando esse mestre, termino com um provérbio africano que ele sempre dizia: “Gente simples, fazendo coisas pequenas, em lugares pouco importantes, consegue mudanças extraordinárias.”

Autor

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba nossos informativos.