Literatura Negra e periférica é tema de encontro na zona oeste de São Paulo

Sarau Elo da Corrente recebe a escritora Jenyffer Nascimento, nesta terça-feira (25).

Por Redação 24/09/2018 - 16:30 hs
Foto: Divulgação
Literatura Negra e periférica é tema de encontro na zona oeste de São Paulo
Sarau Elo da Corrente

Ainda precisamos falar sobre isso. Em agosto, a Academia Brasileira de Letras (ABL) frustrou as expectativas de quem esperava pela posse da escritora mineira Conceição Evaristo. Ela seria a primeira mulher negra a ocupar uma cadeira na entidade literária, fundada em 1897. O episódio fomentou ainda mais a necessidade do debate sobre os saberes, identidades e desafios das escritas das mulheres negras e das periferias.

Pernambucana de nascença e paulistana de vivência, a escritora Jenyffer Nascimento traz um pouco deste debate na atividade Roda de Saberes e Identidades, do Circuito Literário nas Periferias, que acontece na próxima terça-feira (25), no CEU Vila Atlântica, no Jaraguá, Zona Noroeste de São Paulo (SP).

“Falar da importância da literatura negra e periférica é de pensar na contribuição para preencher uma lacuna na história mal contada de nosso país. É ocupar um lugar de disputa, quando sempre ousaram nos manter invisíveis. Quiseram apagar nossa existência e a força de nossos escritos. Por isso, fomentar, discutir e difundir a literatura produzida por pessoas negras, sobretudo mulheres, e muitas delas oriundas de periferias, é libertador tanto para quem escreve quanto para quem lê”, comenta Nascimento.

Se a discussão é potente, a escolha particular do público é essencial. O Circuito Literário nas Periferias tem como foco os bairros distantes do centro da capital e tem como um de seus parceiros o Coletivo Elo da Corrente, que atua há mais de 10 anos na Zona Oeste da cidade.

Integrante do coletivo, a escritora Raquel Almeida fará a mediação da atividade. Ela enfatiza o valor da atuação dentro do território onde formou-se. “Eu vejo como um retorno ao lugar que eu cresci e aprendi a sobreviver. O Elo da Corrente sempre almejou estar em espaços de ensino como um apoio. Também tivemos a sorte de ter uma leva de professores e coordenadores comprometidos, o que possibilitou a nossa atuação em conjunto. É importante agir coletivamente com a escola por uma educação mais abrangente”, diz.

 

Sarau Elo da Corrente: Roda de Saberes e Identidade

Circuito Literário nas Periferias

Terça-feira (25) às 14 horas

CEU Vila Atlântica | Rua Cel. José Venâncio Dias, 840 - Jaraguá - São Paulo (SP)

 

Sobre Jenyffer Nascimento

Pernambucana de nascença e paulistana periférica de vivência, Jenyffer Nascimento é escritora. Na adolescência foi fisgada pelo hip-hop, começou a escrever letras de rap e foi integrante do grupo de feminino "Minas do Subúrbio". Mais adiante, encontrou na cena dos saraus da Zona Sul de São Paulo, a força histórica, cultural e artística de expressão de um povo. Assim se junta aos seus e timidamente volta a escrever. Em 2013 publicou pela primeira vez seus escritos participando da Antologia do Sarau do Binho. Em seguida, participou do livro Pretextos de Mulheres Negras. Um ano depois publicou seu primeiro livro autoral "Terra Fértil" pelo Coletivo MJIBA. Atualmente é educadora, poeta, mãe e articuladora cultural. Colabora na Revista Amazonas e no coletivo Periferia Segue Sangrando.

 

Sarau Elo da Corrente

O Coletivo Elo da Corrente realiza encontros mensais desde 2007. Seu eixo de atuação é a produção, fomento e difusão da cultura de periferia, negra e nordestina.   
O sarau mensal tem o intuito de incentivar a leitura, recitar poesias e valorizar a arte e cultura da periferia paulistana.

O coletivo também mantém uma biblioteca comunitária, um espetáculo de poesia falada, um blog e uma editora independente, a Elo da Corrente Edições, que publica obras de artistas parceiros.
Suas atividades acontecem no Bar do Santista -Rua Jurubim, 788-A - Pirituba (Zona Oeste). A entrada é livre.

http://elo-da-corrente.blogspot.com/